.................d


03/09/2006

Ausência

Cristina acorda durante a noite.
Embora conhecedora da verdade, procura-o na cama, sabendo desde já que ele não está lá.
Engole em seco, resmunga com o mundo pois sabe que milhares de pessoas nesse preciso momento trocam juras de amor, milhares de pessoas estão a amar-se, milhares de pessoas estão juntas....e ela...só.
Cristina precisa de algo. Carinho, um mimo que seja, mas não existe nada nem ninguém que nesse momento a possa ajudar.
Atira o lençol para o fundo da cama, a almofada deixa de fazer parte do conjunto.
Ali, naquele quarto, apenas ela, as paredes, a cama.
Cristina acaricia-se. Afinal existe alguém que lhe pode dar o que ela tanto necessita. Ela pode mimar-se...
Ninguém conhece melhor o seu corpo, pensa ela, então, porque não?
Cristina sabe como se satisfazer, sabe como se tocar....sentir-se!

Sentiu-se, e feliz, voltou a adormecer, mas desta vez, sem aquela sensação de ausência.
Até que alguém volte a ocupar o outro lado da sua cama, ela sabe que nunca se vai sentir sozinha.
Tem-se a si.

(Som do Silêncio)

8 comentários:

Louco de Lisboa disse...

XXXiiii....
Issso não se faz!!!

Louco de Lisboa disse...

Foi apenas um desabafo, mas... não quero paracer presunçoso, mas aqui o louco é louco para fazer companhia á Cristina, e a bom da verdade conheço o corpo da Mulher como o meu! Daí...
Tem até quem diga qúe se há homem que compreende a mulher, sou eu, por alguma razão sou LOUCO!!!

O apicultor disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
O apicultor disse...

Ausência de prazer a dois. Requinte no gosto.
Os gemidos no seio das montanhas são rapados de períodos.
É fazer descender, prazeres em ritmos e necessidades do corpo.
Descarga de contentamento.
Transcende-se a opinião do bem estar.
Palavras ditam sem medo. Avivam uma ocasião.
Julgadas em embaraço, na simplicidade do homem.
Os períodos do silêncio.
Sabores da cúpula dos sentidos.
Aparentamo-nos em opinião e rumamos em fumos ideológicos, regulares.
Ofegantes em incêndio, detalhamos a região.
E de mãos limpas, no que sinto te digo... Que bem que te soube sonhar, sentindo o teu corpo, descrito em sentidos repetidos por aqui.

Som do Silêncio disse...

:-)

Nuno Marques disse...

Intenso! como eu gosto...

E não me estou a referir ao "desabafo" :-)

Beijo... boa semana...

AS disse...

A noite, ausência e o silêncio despertam todos os desejos reprimidos!...

Um texto belo, intenso, sensual... adorei!

Um beijo

escorpiaotenhoso disse...

Também vejo filmes destes de vez em quando. Olha que muitas vezes mais vale só que mal amanhado , quero dizer, acompanhado, ehehehe

ET